digitalização

QSP Summit 2012: os receios do «online turn»

Publicado em Atualizado em

«The new wave of marketing» - QSP Summit 2012 - 8 de Março Exponor, Matosinhos

Outro dos nomes em destaque na QSP Summit de 2012 foi Annet Aris, professora adjunta em Estratégia no INSEAD, responsável pelo curso de MBA “Managing Media Companies” e convidada na Rotterdam School of Management, onde lecciona “The future of advertising”.

Annet Aris, uma das principais oradoras da QSP Summit 2012

 

«Menos é mais: marketing num mundo digital» foi o tema da apresentação onde esta especialista em Media defende que «os meios digitais estão a mudar o panorama dos meios de comunicação a uma velocidade sem precedentes». No entender de Aris no mundo digital, o marketing vai necessitar de mudar as suas abordagens, tornar-se mais segmentado, quantificável e interactivo. Durante a apresentação na Exponor salientou a passagem do marketing tradicional para o social marketing: smart push para o create pull; marketer is performer para marketer is director; one way para interactive e, campaign driven para ongoing.

Uma das principais barreiras assinaladas por esta professora em Estratégia para a resistência ao online é a questão das métricas, medição dos resultados, os recursos humanos, a aceitação da administração e o  brand risk.

Entre as mutações em curso Aris destacou entre outros: 

  • A adopção da tecnologia e a rápida implantação da banda larga de alta velocidade e das plataformas de televisão digital
  • o crescimento exponencial do social e mobile media ( o que assinala mudanças significativas no comportamento do consumidor)
  • Em simultâneo, a disponibilidade para pagar conteúdos está a decrescer rapidamente
  • as empresas de meios de comunicação desesperam por encontrar formas de aumentar as receitas em publicidade, uma vez que o aparecimento de novos players digitais lhes está a retirar uma parte significativa das receitas de publicidade, para além de possibilitarem uma maior interacção com o consumidor

 Por outro lado, os diferentes agentes estão a ter dificuldade em concertar estratégias e abordagens. Aris sublinha por um lado:

  • o atraso da entrada na onda digital por parte das agências de publicidade
  • a falta de competências digitais
  • os mais ousados estão a transferir grande parte do seu orçamento para o mundo digital
  • Risco para a eficácia do marketing (excesso, bombardeamento)

Outras mensagens deixadas por esta especialista em media:

◦  O mundo digital permitirá aos marketeers alcançar e interagir com os clientes em qualquer lugar e a qualquer momento.

◦  os grandes marketeers terão de transferir uma parte significativa do seu orçamento de marketing para o digital.

◦ O marketing corre um sério risco de declínio porque os seus clientes serão inundados de mensagens de marketing.

◦ É necessário reformular o ambiente do marketing digital para assegurar os seus potenciais benefícios na publicidade, nas empresas de meios de comunicação nos consumidores que já se encontram satisfeitos.

Annet  Aris é também membro da Direcção do Grupo Sanoma, em Helsínquia, uma revista líder na Europa e editora educacional, ocupando o cargo de Vice-Presidente da Delegação de Recursos Humanos. Também é Membro da Direcção da V-Ventures (Amesterdão), um fundo de investimento de meios, proprietária da ANP (serviço de notícias Holandês); da Tomorrow-Focus AG (Munique), empresa proprietária da Holidaycheck.de, Elitepartner.de e Focus.de; da Jungheinrich AG (Hamburgo), uma empresa fabricante de equipamentos de manuseamento; e da ASR Nederland N.V. (Utreque), uma companhia de seguros Holandesa. Além disso, também é Membro do Conselho da Fundação “Beeld & Geluid”, da Fundação Volkskrant e preside o International Advisory Board da Universidade de Maastricht Faculty of Business and Economics. Juntamente com Jacques Bughin, escreveu o livro “Managing Media Companies, Harnessing Creative Value”, editado pela Wiley’s em 2009.

Uma síntese da comunicação de Hermawan Kartajaya e uma entrevista a Gian Fulgoni  ao Dinheiro Vivo estão disponíveis no blogue Isvouga Marketing Sessions.

Usar a infografia para melhorar a comunicação

Publicado em

No artigo Invasion of the infographics: Visual makeovers inspire digital insights and innovation, aborda-se um tema que cada vez mais interessa aos profissionais de Relações Públicas, a infografia. Acima de tudo porque esta mistura de imagem e texto pode ajudar a passar a mensagem de um modo eficaz. Na verdade, mensagens infográficas «are taking over the Web in a similar manner as viral videos, retweets and e-books have before them».

“We can thank Twitter and other social sites for their rise in popularity, but also their decay in quality,” explains Joe Chernov, vice president of content marketing for Eloqua, a marketing automation company.  “Infographics awaken opportunities for publications to write about your issues and possibly include context about your organization, but they must be authoritative and creative to be effective.”

(…)

Chernov cites three reasons why infographics spread so broadly and rapidly:

  1. They convince people of your subject matter expertise.
  2. They generate clicks in the same way great headlines do for press releases and blog posts.
  3. They offer gestures of goodwill and helpfulness.

Comunicação integrada na era digital

Publicado em Atualizado em

No artigo Paradigms of global public relations in an age of digitalisation, James Grunig defende: these new media have the potential to make the profession more global, strategic, two-way and interactive, symmetrical or dialogical, and socially responsible. O autor sintetiza alguns princípios que as novas modalidades de comunicação introduziram nos modos de relacionamento com os diferentes públicos. Destaque para o reforço da actividade, a urgência de uma comunicação integrada e no topo das prioridades de gestão, para além da prevalência do modelo two way and symmetrical communication (que congrega a pesquisa, auscultação, diálogo na gestão de conflitos e estabelecimento de boas relações com os públicos estratégicos).