O filho da Pub procura a sua mãe

Publicado em Atualizado em

Gonçalo Morais Leitão no ISVOUGA
Fonte: http://www.zapping-tv.com

Ao longo de sete episódios entrou dentro de pequenas e médias empresas para mudar a comunicação destes negócios. Agora, enquanto prepara a segunda fornada de programas, Gonçalo Morais Leitão, o criador e apresentador Filho da Pub, participa na 8ª edição Isvouga Marketing Sessions, a 6 de dez 2012, no Isvouga, Instituto Superior de Entre Douro e Vouga, em Santa Maria da Feira. Mais uma iniciativa da Licenciatura em Marketing, Publicidade e Relações Públicas e do MKT:LAB. Informações no BLOGUE MARKETING SESSIONS e inscrições em Eventbrite.

O filho da Pub em discurso direto

Sem medo do trabalho «O trabalho não assusta. Muito menos a vontade, que leva sempre a melhor. Em 2004, abandonou o lugar de director criativo da BBDO para assistir ao Euro». Não, não foi para fazer a comunicação do Euro que Gonçalo abandonou o cargo de director criativo, foi mesmo para assistir aos jogos.

As escolhas «Devia ter seguido o que gostava, algo mais ligado à criatividade ou ao desenho. Uma vez fui fazer uns testes psicotécnicos e deram Gestão ou Direito. Desisti do curso no último ano, quando estava no exame de Direito Penal, acho eu».

O primeiro contato com a tv «Consegui um estágio na SIC e estava a adorar, apesar de não ganhar nada. Estava no departamento de autopromoção. Fazia a “Noite da Má Língua”, o “Juiz Decide”, os “Donos da Bola”. Entretanto convidaram-me para ir para uma agência de publicidade, a TBWA, e a oferta era muito apelativa».

O primeiro salário «Eram duzentos contos. Para mim era uma fortuna. Quatro meses depois dobraram-me o ordenado. Foi uma loucura. Correu muito bem na publicidade, mas de há dois anos para cá a vontade de voltar à TV acentuou-se. Em Janeiro de 2011 decidi deixar mesmo a publicidade».

Um idiota é alguém repleto de ideias «Quando saí da Cupido e estive uns meses a trabalhar por conta própria dizia que estava como idiota por conta própria. É o que eu sou. Tenho ideias. Pois, para mim é relativamente fácil [risos]. A ideia surge de facto quando menos se espera. É inexplicável. Há treino, como a velha máxima de que a função desenvolve o órgão. Lembro-me que a primeira vez que tive um briefing à frente na agência de publicidade passei dias a olhar para aquilo. Depois veio o director criativo e em 20 minutos resolveu».

Falta de coerência na comunicação «Cada caso é um caso, mas todos têm o mesmo problema. A identidade, o logótipo. É quase tudo muito pouco profissional. Percebe-se. Noventa por cento das empresas em Portugal não têm acesso a bons designers, é tudo muito de vão de escada. Em muitos casos são os próprios que desenham, e a última coisa com que se preocupam é com isso. Nunca gostavam quando falávamos em mudar o logótipo, mas mudámos, e adoraram. Depois há outra coisa gritante. A falta de coerência nas manifestações da marca. Um caso tinha uns cinco logótipos diferentes, nos cartões, no site, nas carrinhas».

Dar a volta à crise «… é a melhor altura para fazer o programa, para dar um novo ânimo. Sinto as pessoas cabisbaixas e talvez a mudança possa ajudar. Hoje em dia, se não tiver uma boa forma de vender o seu negócio, está tramado. A mudança é uma oportunidade para comunicar. É como um corte de cabelo».

Fonte:  Artigo no Jornal i

Para a segunda série criou a produtora responsável pelo formato exibido na SIC Radical, com Mariana Figuerola e chama-se One Couple Show.

“O objectivo é criar e produzir entretenimento, podem ser programas de televisão ou outro tipo de formatos”, referiu ao M&P Mariana Figuerola.

“Há rubricas novas ligadas à publicidade e algumas agências são diferentes. Mas em termos de formato mantém-se a estrutura, até porque, como a primeira série foi curta, não fazia sentido fazer grandes mudanças”, revela Mariana Figuerola. Em cada programa, o Filho da Pub ajuda pequenos negócios a relançarem-se, com o apoio de algumas das principais agências do país. Ao nível de parceiros, o programa passa a contar com a Make, um atelier de arquitectura e construção, que irá permitir, quando se justifique, fazer pequenas obras ou remodelações. MOP e Capital MC juntam-se nesta temporada, substituindo a JCDecaux e a Niu no apoio aos suportes e à produção. Para esta segunda série, a produção recebeu “centenas de candidaturas, o que nos permitiu escolher negócios fora da área de negócio dos da primeira série”.»

Fonte: MEIOS E PUBLICIDADE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s